Playoff em análise
Proliga entra em fase decisiva
É já este fim-de-semana, com os dois primeiros encontros da série a serem disputados sábado e domingo, que arranca o playoff da Proliga, a segunda mais importante competição nacional masculina, de onde vão sair as equipas que na próxima temporada vão integrar a Liga. Esta eliminatória disputa-se à melhor de 5 jogos e os dois primeiros são realizados em casa da equipa que ficou mais bem classificada na fase regular. Leia nos detalhes desta notícia a análise pormenorizada a cada partida.


1º Algés x 8º Aliança Sangalhos

O vencedor da fase regular já conta com todos os atletas do seu plantel para defrontar esta fase decisiva. Boas notícias para o treinador Mário Silva, que assim conta com mais armas ofensivas, que tão boa conta de si deram mesmo com a ausência prolongada dos seus dois jogadores interiores. O Algés tem o melhor ataque do campeonato, quase 83 pontos de média, e possui jogadores com enorme experiência, muitos deles habituados à pressão do período que este fim-de-semana se inicia. A liderança assumida por António Pires, combinada com o equilíbrio existente entre as soluções interiores e exteriores fazem do Algés um adversário muito complicado de parar. Em virtude da derrota caseira na última jornada da fase regular o Aliança Sangalhos caiu para o 8º lugar, tendo agora que defrontar o Algés na 1ª ronda. A equipa treinada por Francisco Gradeço continua a revelar-se um adversário muito complicado de defrontar, especialmente quando jogo em casa, que o digam os algesinos, já que foi em Sangalhos que sofreram uma das duas derrotas averbadas durante a fase regular (56-54). O conhecimento profundo que o treinador Francisco Gradeço tem da competição, o forte espírito de grupo, e a capacidade de luta que habitualmente revelam, fazem do Sangalhos um osso duro de roer.

2º Illiabum x 7º Galitos – Tley

A formação de Ílhavo começou a época com as expetativas de regressar à Liga, pelo que o segundo lugar não é de todo um mau lugar para disputar a subida. As lesões foram um problema constante durante a fase regular, mas mesmo assim os ilhavenses demonstraram que podem vencer em qualquer pavilhão. Para este último período da competição, o treinador Alexandre Pires reforçou a equipa com a inclusão do norte-americano com passaporte português Calvin Clemmons. Mais uma solução para o jogo interior, que vem acrescentar centímetros e peso à equipa, bem como libertar outros jogadores para funções mais do exterior, sendo que a capacidade intimidadora, ranking que já lideram ainda irá aumentar mais. Do outro lado irá estar o Galitos, uma equipa que teve comportamentos bem distintos ao longo da fase regular. Depois de um começo muito prometedor, a equipa do Barreiro teve um período muito negro, marcado por derrotas sucessivas, que chegaram a colocar em causa a presença neste playoff, que apenas viria a ser conseguida na derradeira jornada. O bom momento de forma que atravessa, bem como o moral elevado do plantel, prova disso mesmo é a vitória alcançada há bem pouco tempo, em casa, diante este mesmo adversário.

3º AngraBasket x 6º Física de Torres Vedras

O conjunto açoriano lutou até à última jornada pelo segundo lugar, o que demonstra bem a qualidade da fase regular realizada pelo AngraBasket. Os açorianos possuem o segundo melhor ataque do campeonato, o que significa que numa tarde de inspiração a formação da ilha Terceira pode se transformar num pesadelo para qualquer adversário. Apesar do equilíbrio verificado, os insulares venceram os dois jogos durante a fase regular frente à Física, o que pressupõe que tudo dependerá da inspiração coletiva e individual neste playoff, já que a diferença de valor entre as duas equipas não permite que nenhuma delas se afaste muito do seu melhor, caso queira passar à fase seguinte. A Física teve de sofrer muito para garantir um lugar entre os oito primeiros, mas a vitória tangencial em Sangalhos valeu-lhe o 6º lugar. O plantel é formado por jogadores experientes, muitos deles com inúmeros jogos de playoff, pelo que se for criada uma dinâmica de vitória, a Física será certamente um adversário a ter em conta, até porque a equipa deu boas indicações nos últimos jogos da fase regular.

4º UD Oliveirense x 5º Eléctrico FC

O basquetebol está de regresso a Oliveira de Azeméis, e no ano de estreia no campeonato da Proliga, a equipa agora treinada por Sérgio Salvador, já marca presença na fase decisiva. A segunda volta da equipa foi extremamente positiva, tendo terminado a fase regular com três vitórias consecutivas. A última das quais frente a este preciso adversário, o Eléctrico FC, e por uma diferença pontual elevada (86-64). O regresso de João Abreu à competição trouxe mais qualidade à posição de 1º base, bem como capacidade ofensiva e experiência, fatores determinantes para decidir jogos equilibrados. Também é verdade que perdeu em Ponte de Sor, pelo que o confronto entre 4ºs e 5ºs promete o habitual equilíbrio. Os alentejanos atravessam uma fase um pouco complicada, em virtude da lesão de Pedro Afonso e a expulsão de Aylton Medeiros no último jogo em casa, pelo que assim consigam voltar a ter o seu jogo interior outra vez operacional, e a eliminatória promete muita emoção e luta. O facto de terem mantido o núcleo da equipa da época anterior, e as várias presenças consecutivas nesta fase decisiva, podem ser argumentos que joguem a favor da equipa comandada pelo técnico Andry Melnychuk.


Inicia-se este fim-de-semana o play-off da Proliga, com Algés e Illiabum a partirem na linha da frente para garantir a subida de divisão.
No entanto, depois de uma fase regular onde o equilíbrio foi a nota dominante, as surpresas poderão aparecer num momento em que, mais do que a regularidade, importa o que cada equipa pode dar numa só partida.
Assim, analisamos os quatro encontros dos play-off.
Algés – Sangalhos
A equipa do Algés foi a grande dominadora da competição na fase regular. Existem muito poucas razões para pensar que o mesmo não acontecerá na fase decisiva da Proliga. A equipa dos arredores de Lisboa tem experiência, profundidade e qualidade de jogo para vencer qualquer partida. Curiosamente, o Sangalhos foi uma das duas equipas que conseguiu bater o Algés na fase regular. Mas depois de ter perdido, nas últimas jornadas, a oportunidade de ficar mais acima na classificação, parece difícil acreditar que o Sangalhos venha a repetir tal proeza nos play-offs.
Illiabum – Galitos
Muitos esperavam uma melhor temporada da equipa do Galitos que, no papel, parecia apresentar argumentos que não foi capaz de consolidar durante os jogos. Garantindo os play-off apenas na última jornada, o sétimo lugar obriga-a a defrontar o Illiabum, equipa que conseguiu garantir um lugar no topo da classificação, mesmo que a recta final da competição tenha trazido algumas derrotas inesperadas. Para o play-off, reforçou-se com mais um jogador (Calvin Clemmons), o que poderá tornar mais difícil bater o conjunto de Ílhavo. O Galitos venceu o Illiabum já este mês e poderá voltar a fazê-lo. Mas em cinco partidas, o Illiabum é favorito ao apuramento.
AngraBasket – Física
Com um cinco muito forte mas pouca profundidade de banco, a equipa do AngraBasket voltou a conseguiu um lugar entre os quatro primeiros da Proliga, mas terá que mostrar melhor condição física do que aquela que levou para a fase final na última época. Encontra um adversário complicado, que não tendo sido regular durante a temporada, tem experiência suficiente para garantir resultados em play-off. Os primeiros dois jogos, disputados nos Açores, serão decisivos para avaliar o que se pode passar nesta eliminatória. Se o Angra não conseguir vencer os dois, poderá estar em maus lençóis para sonhar com as meias-finais.
Oliveirense – Elétrico
Três vitórias nos últimos três encontros valeram à Oliveirense a vantagem de decidir em casa esta eliminatória. O último encontro foi mesmo contra a equipa de Ponte de Sor, que depois de um excelente campeonato, acaba por ver-se ultrapassada por um conjunto menos regular, mas muito mais forte em termos de valores individuais. A Oliveirense poderá mesmo estar numa das melhores formas da época, tornando-se assim forte candidato a ultrapassar esta primeira ronda e a cotar-se como a equipa com mais possibilidades de entrar na corrida pela promoção, para além dos dois primeiros classificados. Ao Elétrico, caberá tentar dificultar a vida ao adversário, ainda que o objetivo da época esteja já cumprido.
Esta primeira eliminatória disputa-se entre 21 de Abril e 1 de Maio, com os dois primeiros jogos a serem disputados no pavilhão do melhor classificado, os dois seguintes nodo adversário e o jogo decisivo, de novo, no pavilhão da equipa que conseguiu melhor classificação. A primeira equipa a garantir três vitórias consegue o apuramento para as meias-finais. 




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Mini-Basket está de volta!