Treinador da Equipa Masculina do CAB comenta partida de sábado

JOÃO FREITAS ANTEVÊ ALGÉS
Este sábado, às 15h00, a nossa Equipa Masculina recebe a formação do Algés em partida a contar para a segunda jornada da Liga. Após a derrota (infeliz) ante o Benfica, que soube a muito pouco, falamos com o treinador João Freitas e pedimos para que comentasse a partida de sábado. Aqui ficam registadas as suas palavras: "Este segundo jogo vai ainda ser mais difícil que o primeiro. O Algés não tem estrangeiros é a primeira vez que estão na Liga e nada têm a perder. Têm um treinador muito experiente e conhecedor do jogo. Nos nossos jogadores pode ficar sempre a sensação que fizeram muitas coisas boas contra o Benfica e isso pode ser prejudicial na forma de abordar este jogo. Pode e há um relaxamento inconsciente, principalmente se o jogador e a equipa que tivermos pela frente a encararmos como mais fácil e descermos os níveis de intensidade e concentração. Essa é a nossa principal batalha: que os jogadores em todos os momentos e em todos os jogos os joguem como se fosse o mais importante." "Temos algumas baixas. Vamos compensar com os jogadores que temos disponíveis. Eu, como treinador, nunca vou forçar jogador nenhum a fazer nada estando magoado, nem nunca me vou queixar dos que não jogam. É uma falta de consideração pelos que estão disponíveis. Esses serão no sábado os mais importantes." "Estou expectante para ver como continua a evolução da equipa, mesmo não podendo treinar com todos. Continuo apostado em resolver os nossos problemas antes de me preocupar com os outros, fazendo do treino a nossa principal arma. Como treinamos queremos jogar. Se treinamos bem, temos que jogar bem, e o inverso também é verdadeiro." "Que os adeptos continuem a apoiar imenso que todos precisamos. A Madeira tem já a reputação de ser um lugar que todas as equipas respeitam quando cá vêm jogar. A isso se deve também o apoio dos nossos. Nas dificuldades nunca somos poucos."

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Mini-Basket está de volta!

O Algés na Escola Básica João Gonçalves Zarco