BwB: Craques mostram-se em jogos já "a doer"

Luís Câmara e Francisco Amiel em pleno exercício de liderança
Não queremos que sejam apenas os melhores jogadores. Queremos que sejam os melhores homens”. A frase é de Chris Clunie, um dos treinadores responsáveis pelos trabalhos do campo Basketball Without Borders. Mais do que ajudar os 50 jovens europeus a evoluir técnica e taticamente, a NBA promove também o crescimento dos jogadores enquanto profissionais.

Num seminário onde também participou Nate Robinson, que falou do seu exemplo enquanto atleta da melhor liga do Mundo, foram abordados tópicos como a liderança, o desportivismo, a confiança e o trabalho de equipa. Um trabalho de desenvolvimento de carácter que a NBA quis também trazer para a Europa.

Avaliação

Já com a motivação nos píncaros depois dos vários discursos, os jovens craques foram divididos em quatro equipas, denominadas Bulls, Cavaliers, Spurs e Timberwolves – nomes definidos em função da proveniência dos técnicos que as orientavam. Durante duas horas, as mais de 50 pessoas presentes puderam sentir um “cheiro” intenso a competição, como ainda não tinha existido até ao momento.

Francisco Amiel, Sérgio Silva, Daniel Relvão e Luís Câmara tiveram direito a muitos minutos e todos deram o seu melhor, no sentido de impressionar os responsáveis da maior liga do Mundo. Record observou atentamente este quarteto e pôde constatar que cada um tem as suas armas. Ainda assim, Luís Câmara foi ontem o elemento nacional que mais se destacou. O extremo do Algés mostrou-se bastante agressivo nas penetrações – embora menos certeiro no tiro exterior – e, principalmente, na luta dos ressaltos ofensivos, tendo conquistado vários a adversários de superior estatura. A defender, não teve problemas em travar tanto bases como extremos.

Sérgio Silva, por seu turno, provou que é um bom lançador, com dois triplos marcados e ainda arrancou uma falta ofensiva. Já Daniel Relvão denotou algumas dificuldades, nomeadamente a defender os postes contrários, todos eles mais poderosos fisicamente. No ataque, foi obrigado a procurar zonas exteriores, mas o tiro também não saiu. Por fim, Amiel confirmou o drible seguro e o bom passe, embora sem se aventurar no lançamento.

Fonte: Record

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Mini-Basket está de volta!